20 de novembro de 2014

RESENHA: IT - A COISA - Stephen King (Ed. Suma de Letras)



Bom dia, pessoal!

Nesse penúltimo dia da Semana Especial SUMA DE LETRAS / ALFAGUARA vou falar de um dos lançamentos da SUMA que acredito ter sido o mais aguardado do ano: IT – A COISA do mestre STEPHEN KING.

It - A CoisaIT: A COISA
STEPHEN KING
Editora: SUMA DE LETRAS              
Ano: 2014                  
Nº págs: 1102
Gênero: Terror


SINOPSE: Nesse romance o mestre do terror nos leva de volta ao tempo em que acreditávamos mais em nossa imaginação, em nossos sonhos e também em nossos pesadelos... Junho de 1958. Derry, pacata cidadezinha do Maine. Início das férias de verão. Para Bill, Richie, Eddie, Stan, Beverly, Mike e Ben, sete adolescentes que, pouco a pouco, se tornam amigos inseparáveis, este será um verão inesquecível. Um tempo em que vão descobrir o doce sabor da amizade, do amor, da união. época em que vão provar o gosto amargo da perda, do medo, da dor. Este será um ano inesquecível. Terrivelmente inesquecível. O ano em que vão conhecer a Coisa, a força estranha e maligna que vem deixando um rastro de sangue na calma Derry. O ser sobrenatural que apresenta um apetite especial por inocentes crianças. Maio de 1985. O tempo passou deixando suas marcas em cada um deles. Já não são mais crianças. Mike Hanlon, o único que permanece em Derry, dá o sinal. Precisam unir novamente suas forças. A Coisa volta a atacar e eles devem cumprir a promessa selada com sangue quando crianças. Só eles têm a chave do enigma. Só eles sabem o que se esconde nas entranhas de Derry. Apenas eles podem vencer o poder maléfico da Coisa.
  
Fiquei extremamente feliz quando IT: A COISA chegou por aqui. A capa estava medonhamente divina e ficaria maravilhosa na minha estante de coleção do mestre KING. Contudo, fazer a leitura desse livro não fazia parte dos meus planos.

Quando criança, pentelhei tanto minha mãe, que ela acabou por me deixar assistir ao filme, desde então tenho medo de palhaços. Exatamente por isso não queria ter contato algum com o livro. Todos sabem que o livro é sempre mil vezes melhor que o filme, e se o filme já havia me traumatizado para a vida toda, imaginei o que o livro não seria capaz de fazer. Mas acabei sendo vencida pela curiosidade, tanto de conferir as palavras de mestre KING, como de ler a tão comentada cena de orgia entre os adolescentes de 11 anos.

No início da leitura fiquei um pouco perdida, isso porque houve um excesso de informações que eu ainda não havia tido contato e demorei a me habituar com a imensa quantidade de acontecimentos, situações e personagens que estavam sendo descritos. Uma vez superada essa etapa, deixei-me envolver pela grandiosidade da narrativa de KING ao falar de seus personagens. Sério, não conheço nenhum autor que humanize tanto seus personagens e faz com que sintamos que eles são próximos a nós. KING sempre consegue esse feito, e me deixou bastante satisfeita por ter feito com que eu me sentisse bastante próxima da grande maioria dos personagens.

Ainda não sei definir o que gostei mais no aspecto personagem, se foi acompanhar a vida deles no presente (e sofri bastante com a “atual” situação da Beverly), ou se foi acompanhar as lembranças do passado, essas me deixando verdadeiramente com medo, pois Penny esteve presente em muitas dessas recordações.

Falando no palhaço... Fiquei bastante surpresa com ele no livro. Desde criança sempre achei que IT era um livro sobre esse palhaço, e apenas isso, mas Penny é muito mais que isso. Ele não é “apenas” um palhaço assassino, ele toma forma daquilo que mais temos medo, daquilo que não temos coragem suficiente para enfrentar, é o medo que o alimenta. Não me lembro de ter isso no filme, por isso já corri e comprei, quero conferir de novo e poder comparar melhor as diferenças, só sei que se eu já tinha medo desse ser, ver que ele poderia se transformar em outras coisas me deixou ainda mais temerosa, ainda mais quando li a cena do lobisomem. Apesar de já ter passado muito da idade, esse é outro pavor que me acompanha desde a infância, e sim, me trouxe vários e vários pesadelos, por dias e dias... Mas admito, foi uma das melhores partes, uma das que mais me deixou agoniada e desesperada para ver chegar ao fim.

Quanto à tão famosa e comentada cena da orgia, é como disse, KING escreve de um jeito tão humano, que por mais chocante que tenha achado, achei pertinente. Sei lá, esse cara me convence do impossível e do improvável. Esta é uma parte do livro a qual tinha certeza de que iria torcer o nariz, achar absurda, desnecessária e de mau gosto, não que tenha achado normal, longe disso também, mas não senti que fiquei extremamente horrorizada. Claro que foi bastante perturbador de ler, ainda mais porque não é uma passagem “vapt-vupt”, são páginas e mais páginas detalhando o momento, ainda assim, achei que KING conduziu com maestria e atingiu seu objetivo com essa parte da narrativa.

Não vou negar que por mais que os personagens tenham me envolvido e me deixado fascinada,  foi Penny quem chamou mais minha atenção, apesar do medo constante e dos pesadelos. Obviamente, esse é o tipo de livro em que o vilão rouba as cenas e vira todos os holofotes para si. Fiquei maravilhada ao descobrir que esse ser era algo muito mais grandioso do que imaginei e do que minha memória infantil recordava. Melhor ainda foi o final, que lembro de ter achado extremamente ruim no filme e adorei no livro. Aliás, os finais do KING são minhas maiores expectativas quando começo um livro dele, pois muitos fãs dizem que ele quase sempre finaliza de uma forma ruim. Estou longe de concordar com essa opinião. Acho que me decepcionei com apenas 1 ou 2 finais de seus livros, ainda bem. 

A leitura de IT: A COISA valeu cada noite insone, cada pesadelo e cada momento de medo. Repetiria tudo de novo. Esse é o livro que posso dizer sem medo para vocês colocarem na listinha de leitura. Incrível, fantástico, medonho e sinistro. LEIAM!


Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Esse me deixa dividida, Mari. Já não gosto de palhaços sem nem ter visto o filme, ler o livro então... Apesar de acabar de descobrir que não é apenas um palhaço, mas enfim. Quero ler quantos livros do King puder, mas esse não é um dos primeiros da lista. Ótima resenha.

    Abraço!
    http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá! Esse é meu livro preferido do King, desde a primeira vez que o li, há uns 13 ou 14 anos. Não foi o primeiro livro dele que li, mas foi o que mais impactou e se tornou O livro para mim. Concordo com você sobre a tão falada cena, é chocante sim, mas no correr da história foi aceitável. Amo King!!! E sua resenha está formidável!!!! Parabéns!!

    ResponderExcluir
  3. Eu sou super fã de King e um dia terei lido todos os seus livros, esse ainda está entre os desejados.
    Comparar o livro ao filme é sempre covardia, tanta coisa fica de fora de um filme, mesmo que ele seja fiel ao livro em que foi baseado.

    ResponderExcluir

* Deixe seu comentário e me faça feliz :D
* Se você tem um blog, não esqueça de deixar o link.