9 de agosto de 2016

RESENHA: A SANGUE FRIO - Truman Capote (Ed. Companhia das Letras)



Boa noite, pessoal!

Estou atrasadíssima na postagem dessa resenha, que já está pronta há um tempão, peço desculpas a vocês, mas hoje finalmente vai ao ar a resenha do incrível A SANGUE FRIO do TRUMAN CAPOTE, lançado pela editora COMPANHIA DAS LETRAS.

A Sangue FrioA SANGUE FRIO
TRUMAN CAPOTE
Editora: COMPANHIA DAS LETRAS         
Ano: 2003
Nº págs: 432
Gênero: Não-Ficção


SINOPSE: Um homem religioso, uma mãe depressiva, um adolescente, uma garota dona de casa, um cachorro amedrontado e dois ladrões frustrados. Esses e outros personagens são os ingredientes chave para o romance jornalístico A sangue frio, de Truman Capote. O livro é uma reportagem investigativa sobre o assassinato de quatro membros da família Clutter, o casal e seus dois filhos caçulas, ocorrido em 1959 na cidade de Holcomb, no Kansas, Estados Unidos.



Quem acompanha o blog sabe que faz pouco que conheci a narrativa do CAPOTE. Apesar de ter alguns livros do autor aqui em casa, nunca havia lido nenhum, e quando comecei, fiz do jeito certo, pois tive o imenso prazer de iniciar com PRIMEIROS CONTOS DE TRUMAM COPOTE (Ed. José Olympio, 2016). Logo após essa leitura, fiquei apaixonada pela narrativa desse homem, que com pequenos contos me conquistou em absoluto. Resolvi então que gostaria de ler seu aclamado livro de não-ficção: A SANGUE FRIO, a qual a editora COMPANHIA DAS LETRAS foi super bacana em me enviar, pois o livro já foi lançado há algum tempo.

A SANGUE FRIO conta a história do cruel assassinato de quatro membros de uma família pelas mãos de dois ex-detentos. Esse poderia ter sido um livro de não-ficção comum, poderia ter sido apenas um relado jornalístico sobre os fatos e o crime em si, mas pelas mãos de CAPOTE e com seu talento narrativo, tornou-se algo muito maior, uma história triste e lamentável em que não apenas nos deixa em choque e incrédulos com a maldade humana, mas que, infelizmente, nos faz ver todos os lados de uma história.

Digo infelizmente porque CAPOTE, com seu dom narrativo, deu grande espaço também aos assassinos, e muitas vezes fiquei com dó (é ridículo, eu sei) do que foi exposto sobre suas vidas pregressas. De forma alguma quero justificar o ato deles, pelo contrário, achei bem merecido o fim que tiveram, o que quero tentar dizer, talvez com as palavras erradas, é que a forma de narrar de CAPOTE conseguiu me embalar para a vida dos dois e fazer com que me penalizasse com a infância e abandono deles, com alguns momentos de sofrimento que passaram, etc; isso porque, como disse, o autor tem um jeito diferente de narrar, conseguindo, de alguma forma inexplicável, transformar até as piores coisas e pessoas em seres humanos de verdade. O consolo é que ele não se apegou muito a isso, e sabendo que talvez os leitores fossem se comover com uma ou outra história triste do passado dos criminosos, logo fazia vir à tona seus crimes e seus comportamentos medonhos e hediondos. E isso foi algo que achei brilhante, ele dava margem para a pena, mas não abria espaço para ela por tempo suficiente. Diante desse aspecto, só pude passar a achar esse homem ainda mais brilhante e fascinante.

Quanto aos crimes... Minha gente, preparem o estômago! CAPOTE não ameniza nada! Pelo contrário, tudo o que ele expõe é denso, é perverso! E o que torna o crime ainda mais brutal foi a beleza com que ele retratou a família antes da morte. CAPOTE teve todo o trabalho de criar o panorama da vida daquela família na sociedade a qual pertenciam. O quão eram queridos, dedicados aos outros e o quanto eram solícitos e prestativos aos próximos. Isso fez com que a morte deles fossem ainda mais lamentável, pois não foram retratados apenas como vítimas, mas sim como membros ativos de uma comunidade que estava sempre a contar com essas pessoas e eles a retribuir.

Apesar de esse ser um livro de não-ficção, CAPOTE não deixou seu dom de contador de histórias para trás. Em momento algum ele procurou fazer um relato cru e seco dos fatos, pelo contrário, pareceu ser uma narrativa de contos de fadas em que tudo era belo e um dia desmoronou. Mas esse conto não teve um final feliz, pelo contrário, foram muitas as vezes em que senti vontade de chorar, e foram muitas as vezes em que me revoltei, principalmente com a crueldade dos assassinatos, pois, para mim, os dois assassinos pareciam meio bobocas, capazes de um crime de assassinato sim, mas não algo tão cruel, doentio e elaborado. Por isso, quando os detalhes das mortes foram revelados, senti meu estômago revolver por completo, pois sentia certa incredulidade no que lia. E acredito que esse foi mesmo o desejo de CAPOTE, fazer com que o leitor ficasse incrédulo frente a perversidade a qual o ser humano pode chegar.

BRILHANTE! A SANGUE FRIO foi um relato brilhante (e extremamente triste) sobre um assassinato que chocou toda uma comunidade. Quem tiver oportunidade, deve conferir sem dúvida! E também deve aproveitar para conferir os livros de ficção do autor, para ver que ele não empobrece em nada sua linguagem quando muda de gênero e que não o deixa seco como se fosse um mero relato jornalístico. Após a leitura, compreendi porque A SANGUE FRIO foi considerado o livro que ultrapassou as barreiras da narrativa jornalística. Só quem ler vai conseguir entender o quanto A SANGUE FRIO é apreciável, apesar do conteúdo que traz. 

 

Comente com o Facebook:

17 comentários:

  1. Adorei a resenha, embora seja um livro mais antigo nunca tinha ouvido falar dele, mas já anotei o nome :)
    adoro livros políciais, com assassinato,mistério e tudo mais. Obrigada pela dica

    ResponderExcluir
  2. Ai, esse parece ser bem cruel de ler heim. Se dá essa reviravolta toda quando descobre os detalhes...e nem quero imaginar o que fizeram pra deixar tanto sentimento assim. A coisa deve ter sido feia.
    Não conhecia e esse autor e nem o livro. Não sou muito de ler uns assim, mas até que ele parece muito bom. Chocante. Especialmente se narra de um jeito meio conto de fadas, quando tudo dá errado e deixa essa impressão tão forte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cris, cruel mesmo! Haja estômago! Ainda mais quando nos damos conta que é real... Senhor, foi muito triste de ler :(

      Excluir
  3. Oi.
    Sempre leio ótimos comentários e resenhas sobre Capote, mas ainda não li nenhuma de suas obras. A Sangue frio tem uma premissa interessante, forte e impactante. Gosto desse gênero, se tiver oportunidade, vou ler e tirar minhas conclusões. Gostei muito da sua resenha, bem detalhada e motivadora a leitura. Obrigada pela dica. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Nossa,esse livro parece ser extremamente denso por termos o conhecimento que não é ficção.
    E se o autor conta detalhadamente as circunstâncias dos assassinatos,nos deixam mais chocados.
    E apesar de ter consciência que a leitura não deve ser nada fácil,tenho vontade de conferir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jana, não é fácil mesmo. Mas vale muito a pena.

      Bjs

      Excluir
  5. Fiquei totalmente interessada por este livro, estou iniciando a pouco tempo minha jornada na leitura e suas resenhas me ajudam muito a me tornar cada vez mais apaixonada por livros. Obrigada.

    ResponderExcluir
  6. Eu amo ler livros nesse estilo e. por conta da sua resenha, fiquei super interessado. Pelo o que eu pude ver, o autor sabe realmente trabalhar num livro, tornando ele muito cruel para quem está lendo. E isso foi o que mais me despertou interesse. Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  7. Oi tudo bem..
    Ainda nao conhecia o livro nem o autor,parece ser um livro bem interessante que aguçou bastante a minha curiosidade,gosto muito de livros com misterios e policial e gostei bastante da resenha..
    Um abraço e muito sucesso :)

    ResponderExcluir
  8. O fato do autor optar por mostrar a infância de abandono dos criminosos e a vida em sociedade da família torna a historia do livro mais real e não "apenas" um relato de crime. Fiquei curiosa para conhecer o livro e o autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, foi isso mesmo, tornou a coisa muito mais palpável, não apenas um relato jornalístico.

      Excluir
  9. Oi.
    Adorei o estilo do livro, me parece encantador realmente, fiquei louca para conferir como sempre, acho que irei a falência kkkkk.
    Gostei também que o livro não fica só nos crimes e tudo mais, enfim adorei.
    Boa Tarde.

    ResponderExcluir
  10. Nossa, que livro!
    Nunca li nada do autor, mas fiquei impressionada com o que li nessa resenha, a escrita dele parece ser ótima.
    Não sabia que este livro era não-ficção, fiquei chocada!
    Vai entrar para a minha lista.

    ResponderExcluir
  11. Truman Capote ainda é para mim um autor do qual desconheço tudo, sua vida, seus relatos e tudo o que seu se limita a um filme do qual saiu e que não assisti. Daí que me deparo com essa resenha super envolvente do livro que além de não ser de ficção demonstra a escrita bem elaborada dele. Fiquei aqui me perguntando onde eu estava que nunca li nada dele e já estou em busca de algum texto linha, ou livro para me redimir desse meu crime!

    ResponderExcluir
  12. Livros não-ficção me fascinam, ao mesmo tempo que me deixam instigada ao ver o que o ser humano é capaz de fazer, e por uma narrativa tão incrível o livro aparenta ser um excelente relato. Me sinto maravilhada por autores que conseguem me fazer sentir pena de vilões, ou no caso assassinos, mesmo que isso seja - como você disse- ridículo, mas decorrente de uma excelente narrativa. Quero ler e espero que desperte as mesmas sensações que lhe despertou

    ResponderExcluir
  13. My God! Que resenha maravilhosa 😍😍😍
    Resenhar sobre um livro bom é complicado...pois tentamos expressar tudo na escrita... Mas vc deixou isso emocionante.
    O livro deve ser realmente muito bom. Obrigado! 😁

    ResponderExcluir

* Deixe seu comentário e me faça feliz :D
* Se você tem um blog, não esqueça de deixar o link.